Após passar por processos de revitalização por quase um ano, a Cripta da Catedral Metropolitana de Pouso Alegre será reaberta para visitação nesta quinta-feira, 20/ 6, Dia de Corpus Christi, durante cerimônia solene presidida pelo Arcebispo Dom José Luiz Magela Delgado, às 14:00hs.

A Cripta é uma capela mortuária que está localizada no subsolo da Catedral, onde foram sepultados seus bispos: Dom Octávio Chagas de Miranda (1959); Dom José D’Ângelo Neto (1990); Dom João Bergese (1996) e Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho (2018).

O local esteve fechado desde 2018, atendendo pedido do Arcebispo, e do pároco e Cura da Catedral, Cônego Vonilton Ferreira, então, deu-se o início de revitalização da Cripta com o apoio e colaboração dos fieis, resultado financeiro da Festa do Senhor Bom Jesus que aconteceu em 2018 principalmente e outras festas de outras paróquias espalhadas pela cidade.

A Cripta recebeu pintura nova e iluminação moderna, piso e teto foram revitalizados, o local ganhou sistema de som e recebeu 25 bancos. Os quadros em alto relevo retratam a Via Sacra, que pertenciam a Catedral, todos restaurados.

Na Cripta é celebrado, toda segunda-feira, às 16:00hs, o Santo Sacrifício da Missa, em sufrágio dos sacerdotes e bispos falecidos da Arquidiocese. A partir da reinauguração, a Cripta também estará aberta para visitação dos fiéis às segundas-feiras, das 13:00 às 17:00hs, e aos sábados, das 9:00 às 12:00hs, com a Recitação do Rosário.

Brasão 220 anos

Na missa de Corpus Christi, que acontece às 15:00hs, a Catedral também fará o lançamento e apresentação de seu Brasão – elaborado pelo Cônego Vonilton, Fernando Freitas e Luiz Augusto Parreiras. Embora a Catedral de Pouso Alegre já tenha uma logomarca, Vonilton considera útil a constituição de um novo brasão oficial com vários simbólicos da heráldica, formalizando a identidade e os ideais da Catedral de Pouso Alegre. Uma igreja bicentenária que este ano em agosto estará completando 220 anos.

Procissão de Corpus Christi

Após a Missa de Corpus Christi, às 15:00hs, acontece a tradicional e histórica procissão saindo da Catedral Metropolitana em direção ao Santuário do Imaculado Coração de Maria onde o Bispo fará uma benção solene, ali haverá adoração ao Santíssimo. Como de costume, a procissão passará por ruas decoradas com tapetes de pó de serragem – trabalho realizado por pastorais, tanto da Catedral quanto do Santuário.

Nas demais paróquias espalhadas por Pouso Alegre o mesmo ritual e os tradicionais tapetes também ornamentam as ruas para a passagem de Corpus Christi uma manifestação pública de fé e religiosidade na Eucaristia. É a única ocasião nos rituais a igreja católica apostólica romana em que o padre expõe nas ruas para o seus fieis a hóstia consagrada, representando o Santíssimo Sacramento.

O que é Corpus Christi

Corpus Christi significa Corpo de Cristo. É uma momento religioso da Igreja Católica que tem por objetivo celebrar o mistério da eucaristia, o sacramento do corpo e do sangue de Jesus Cristo.

O dia de Corpus Christi acontece sempre 60 dias depois do Domingo de Páscoa ou na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, em alusão à quinta-feira santa quando Jesus instituiu o sacramento da eucaristia.

Durante este dia são celebradas missas festivas e as ruas são enfeitadas com tapetes ornamentados de diversas formas para a passagem da procissão onde é conduzido geralmente pelo Bispo, ou pelo pároco da Igreja local, o Santíssimo Sacramento que é acompanhado por multidões de fiéis.

A tradição de enfeitar as ruas começou pela cidade de Ouro Preto em Minas Gerais. A procissão pelas vias públicas, é uma recomendação do Código de Direito Canônico que determina ao Bispo Diocesano que tome as providências para que ocorra toda a celebração, para testemunhar a adoração e veneração para com a Santíssima Eucaristia.

Origem do Corpus Christi

A festa do Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV no dia 8 de Setembro de 1264. A procissão de Corpus Christi lembra a caminhada do povo de Deus, peregrino, em busca da Terra Prometida. O Antigo Testamento diz que o povo peregrino foi alimentado com maná, no deserto. Com a instituição da eucaristia o povo é alimentado com o próprio corpo de Cristo.

Direto da Redação – fotos: redes sociais

Comentários

Publicidade