Pai do recém-nascido, Wanderson Nunes.

Uma família do Rio de Janeiro não consegue enterrar um recém-nascido porque os funcionários do hospital não sabem onde está o corpo do bebê. Como mostrou a GloboNews, o enterro da criança seria na terça-feira (7), mas foi cancelado porque os parentes foram informados pela direção do Hospital Pasteur, no Méier, na Zona Norte, que o corpo simplesmente desapareceu.

“Hoje, quando eu chego de manhã com a funerária para ver o corpo, eles não me entregaram o corpo do meu filho. E me enrolaram até agora, não deram nenhum tipo de informação. Chegam agora e o diretor do hospital me fala que ou jogaram o meu filho fora, sem querer, limpando e tal porque era pequeno, ou então foi dado para outra funerária levar. Foi isso o que me passou. E aí, ele me dá um documento que não diz nada, não tem nem a assinatura do hospital. Eu acho um total desprezo, já que se trata de uma pessoa, um ser humano, um filho”, contou o pai do recém-nascido, Wanderson Nunes.

Em nota enviada à GloboNews, o hospital informou que lamenta o episódio e instaurou uma sindicância interna para apurar os fatos. Também foi dito que a equipe da unidade de saúde permanece em contato com a família.

Wanderson disse, ainda, que a esposa dele ainda não sabe do ocorrido. Ele afirmou que irá contar à mulher, mas não sabe como vai explicar que sumiram com o corpo do filho. Isso são coisas do Brasil que vive acontecendo diariamente e nossas autoridades não fazem nada. É preciso reforma urgente nas leis deste país.

Fonte: G1 RJ

 

 

Comentários

Publicidade