O governador de Minas, Romeu Zema e a secretária de Estado de Educação, Julia Sant’Anna, anunciaram nesta quinta-feira 30 de maio, o repasse de R$ 21 milhões para obras em 132 escolas de 92 municípios de várias regiões do estado. Em solenidade na Cidade Administrativa, o governador ressaltou a “deterioriação” das escolas públicas no estado e disse que fará o que “estiver ao alcance” para recuperar a estrutura da rede pública estadual.

“Tenho visitado as escolas e visto a situação. Aquilo que estiver ao nosso alcance, nós estaremos fazendo. Sabemos da importância da educação”, afirmou. Ele ainda falou da crise financeira pela qual passa o estado. “Falta de recursos, instalações precárias e muitas outras dificuldades que vocês sabem melhor que eu quais são. Fica aqui minha gratidão a vocês. Mais adiante teremos condições de trazer notícias melhores”, disse o governador emocionado.

O governador relembrou os ensinamentos dos pais em relação à educação. “Educação sempre foi muito valorizada na minha família. O que eu mais escutei dos meus pais foi: antes de tudo estude e forme. O carro que você tem pode ser roubado, a empresa que você tem pode quebrar, a casa que você tem pode pegar fogo, mas o que você aprende vai ficar na sua cabeça para sempre e você vai fazer uso eternamente.” Os repasses são parte do Programa de Revitalização de Escolas Estaduais de Minas Gerais, Mãos à obra na escola.
As escolas foram escolhidas a partir da urgência das reformas depois de diagnóstico de técnicos que visitaram as dependências em todo estado. Com as informações obtidas nas vistorias e com base nas necessidades de cada escola, a equipe da secretaria elabora um plano de atendimento.

Estão previstas obras emergenciais, como construção de muros, reforma de telhados, banheiros, cozinha, refeitórios, rede elétrica, reforço estrutural de salas de aula, substituição de portas, reforma geral de instalações. A secretária garantiu que os recursos para a primeira fase do Mãos à obra na escola estão assegurados e serão liberados nos próximos quatro meses.

Fonte: MSN / JC

Comentários

Publicidade