Um Policial Civil entrou em uma residência na Região Metropolitana de Belo Horizonte, matou uma mulher, as duas filhas dela e se matou em seguida na madrugada desta terça-feira, 15/5. As informações que constam no boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar para o caso dão conta de que quando os militares chegaram na residência da Rua Sebastião Fernandes, no Bairro Monte Carlo, eles encontraram três mulheres caídas na sacada do segundo andar da casa já sem vida e um homem caído próximo aos estilhaços, com uma arma em punho. As vítimas são Luciana Carolina Petronilho, 40 anos, Nathalia Diovana Petronilho, 18, e Victoria Regina Graciane Petronilho, 15.

Paulo José de Oliveira, 40 anos, foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) São Benedito e em seguida transferido ao Hospital João XXIII, onde faleceu por volta das 4:10hs. Junto com ele os militares de BH acharam duas facas, um alicate e um documento de identificação xerox da Polícia Civil. Em contato com a central de operações policiais, a PM recebeu a informação de que Paulo estava preso desde 27 de julho do ano passado na Casa de Custódia da Polícia Civil, que fica no Bairro Horto, Leste de Belo Horizonte, e é exclusiva para ex-policiais presos.

TRIPLO ASSASSINATO

O dono da casa onde ocorreu o crime, que consta na ocorrência como marido de Luciana, disse aos militares que estava dormindo e escutou um barulho semelhante ao arrombamento do portão. Logo depois ele já se deparou com o autor armado dentro de casa. Paulo determinou que o homem saísse de casa junto com outra mulher, que seria a terceira filha da vítima, de 22 anos, para que não morressem junto com as três mulheres.

Em seguida o policial civil foi na direção das três vítimas e atirou nas três, matando todas com disparos na região da cabeça, e depois se matou, atirando contra a própria cabeça.

A principal testemunha do crime ainda contou aos policiais militares que a motivação do triplo assassinato seria a condenação de Paulo José pelo crime de estupro praticado contra as duas jovens que foram assassinadas, filhas de Luciana. A perícia recolheu cinco cápsulas de munição 380 e outra bala intacta do mesmo calibre.

Os peritos que atuaram no caso também encontraram em um dos quartos uma substâncias semelhantes a maconha, além de um triturador de drogas e um papel que seria usado para embalar substâncias entorpecentes. O triplo assassinato ganhou as redes sociais e se espalharam por todo o país.

Entenda o caso

O policial estava preso desde julho do ano passado na Casa de Custódia da Polícia Civil, na capital, acusado de ter abusado sexualmente das duas jovens que foram assassinadas. Ele foi condenado a uma sentença de 31 anos, na segunda-feira, 14/5. Inconformado, o autor foi até a casa do ex-sogro, um policial aposentado, pegou uma arma de fogo e foi em direção à casa das vítimas, liberando o padrasto e a outra filha do casal.

O policial civil que cometeu esses crimes tem 40 anos, ele matou uma mulher e as duas filhas dela, uma de 15 anos e outra de 18, e em seguida se matou, na madrugada desta terça-feira 15/5, no bairro Monte Carlo, em Santa Luzia, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com a Polícia Militar, a outra filha da mulher, de 20 anos, e o padrasto conseguiram escapar do crime. O policial civil chegou a ser encaminhado para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Fonte: GP / PMMG Fotos Redes Sociais

 

Deixe um comentário