O projeto de lei que pretendia transferir o dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra em Pouso Alegre, foi retirado da pauta da Câmara Municipal de Vereadores. A proposta seria atender um pedido de comerciantes que alegam que três feriados no mesmo mês em novembro atrapalha o comércio e a indústria local, todos caindo de segunda a sexta-feira.

Em Pouso Alegre, a data é comemorada desde 2015 dedicada ao Dia Nacional da Consciência Negra, sempre no dia 20 de novembro, em referência à morte de Zumbi dos Palmares. Em 2015, a Câmara aprovou e o prefeito Agnaldo Perugini sancionou a lei aprovada na câmara, o município instituiu o feriado para marcar as comemorações.

No entanto, naquele mesmo ano, a data gerou polêmica, e trouxe divisões de ideais, pois comerciantes e industriários queriam que ele fosse facultativo. Um juiz da comarca chegou a baixar uma portaria suspendendo o feriado para os funcionários do fórum, pois já tinha audiências marcadas, nas respectivas datas.

Uma proposta para que a data fosse comemorada no terceiro domingo do mês de novembro apresentada pelo vereador Rodrigo Modesto também foi recusada, já que os movimentos negros alegam que a alteração causaria a perda de todo o contexto histórico. A população de um modo geral, parece ter aprovado o feriadão que este ano cai numa segunda-feira.

Agora, segundo o autor do projeto, o vereador Modesto (PTB), uma audiência pública deverá ser marcada para discutir a proposta apresentada, mas uma data ainda não foi definida. O vereador disse ainda que é importante discutir a ideia, mas que o feriado deste ano vai ser mantido, devido à proximidade.

O vereador também se reuniu com representantes da Associação Comercial e Industrial de Pouso Alegre (Acipa), tendo seu presidente Sérgio Tadeu Borges manifestado a vontade da facção comercial da cidade, que perde muito porque deixa de vender. O Cel Dimas chefe de gabinete, representando o prefeito Rafael Simões e representates de movimentos negros, discutiram o tema e as propostas mas estes não concordaram com alterações no texto, mas o que tudo indica é que um novo projeto de lei ainda não foi divulgado, poderá no futuro mudar a trajetória desta data, considerada por eles, importante na valorização do Negro que foi sequestrado de seu país, tratado como animais e escravizados pelos colonos, discriminados e sem direitos algum, tratados como mercadorias e não como seres humanos.

Pouso Alegre depois de muitos anos, juntou-se a mais de 1.280 cidades brasileiras que criou um feriado exclusivo para essa conscientização de que todos somos iguais perante as leis de Deus.

Fonte: CMPA/ Direto da Redação

Comentários

Publicidade